Deserto de trens e Salar do Uyuni – Nosso mochilão pela Bolívia

Deserto de trens e Salar do Uyuni – Nosso mochilão pela Bolívia

E seguimos viagem….

Agora vamos para nossa segunda cidade do mochilão pela Bolívia.  Nosso trajeto feito de ônibus, de Sucre ao Uyuni. Foi uma das piores viagens que fiz kkk. Eram tantas curvas! Mas, o mal estar era compensado com o céu estrelado. Parecia que dava para tocar as estrelas. Ainda bem que havia banheiro no ônibus, pois o enjoo foi inevitável.

Bom, chegamos as 4h da manhã, e fomos informados que a temperatura era de -8 graus. Um frio da moléstia.

A maioria das pessoas, chegam na cidade do Uyuni e vão para uma cafeteria próxima. Daí aguardam até a hora do passeio, lá pelas 11 horas da manhã. Mas, nós, conhecemos um cara, que nos apresentou outro cara rsrsr, que faz o passeio no Salar. Por isso, fomos para casa dele, dormimos debaixo de 6 cobertores, quentinhos e bem instalados. Depois, tomamos café da manhã as nove horas e daí irmos para o passeio.

Pra falar a verdade… esse cara é da mesma religião que nós. E como ele faz esse passeio, fechamos com ele. E ele teve a hospitalidade de nos deixar ficar em sua casa. Só amor!!!

Primeira parada do passeio….

Deserto de trens

O deserto tem uma história interessante. Muitos anos antes, os ricos e influentes da Bolívia extraiam pedras preciosas como a Bolivianita ( uma pedra de dois lados, um de cada cor) . Entre essas pessoas estava a Glorieta, aquela do Castelo do outro post.

Com o tempo as reservas de bolivianita foram diminuindo e logo formas de extrações mais modernas apareceram. Assim os trens ficaram abandonados.
Ouvi essa história no Museu do Tesouro de Sucre.

São 30 minutos de passeio, onde você pode tirar fotos até cansar. O frio já não é mais tão intenso, cerca de 3 graus.

Daí partimos com o mesmo veículo 4×4 para o Salar do Uyuni. Pense… a cidade de Uyuni parece um velho oeste. Fiquei esperando o feno sair rolando…brincadeira. Mas, chegando no Salar do Uyuni, também chamado de Deserto de Sal…. meu Deus foi a coisa mais bonita que já vi na minha vida até então. Acho que só compete com a neve.

Uma imensidão de nada. Sal para todos os lados. A primeira parte é um sal duro. As fotos ficam incríveis!

Depois paramos em um restaurante de sal para almoçar. É isso mesmo!! O restaurante é feito de sal. Para quem vai fazer o passeio de três dias, existe um hotel de sal. Mas, nós só ficamos um dia,  então após o almoço que está incluso no valor de  150 bolivianos, fomos para a Ilha dos cactos.

 

Ali você paga 30 bolivianos para ter uma vista privilegiada do Salar e claro…ver cactos. Mas, quem foi me disse que não vale 30 boliviamos. Então, ficamos apenas na entrada, que renderam muitas fotos.

 

O passeio segue… até o espelho d’água. Uma parte do salar, onde uma camada fina de sal derreteu. Essa foto acima foi feita nesse espelho. Incrível, não? E ali, esperamos o pôr do sol. É de chorar de emoção. Simplesmente maravilhoso. Olhar a imensidão e agradecer ao Criador toda aquela beleza.

 

E assim, saímos do Salar do Uyuni. Pegamos a mala/mochila na casa do novo amigo, compramos a passagem para La Paz e… partiu Chacaltaya!.

Beijossss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.